terça-feira, 13 de março de 2012

Perdão e reconciliação

No Evangelho de hoje, Pedro pergunta a Jesus quantas vezes se deve perdoar. Ele quer que Jesus confirme a existência de um limite no exercício da caridade cristã. Jesus mostra que o perdão não tem limites, porque o amor de Deus não tem limites. Devemos ser eco daquilo que Deus fez por nós, devemos desenvolver em nós mesmos e transmitir aos outros aquilo que Deus nos deu. A lei do perdão é como um contrato firmado com o sangue de Cristo. Depende de nós ratificá-lo, derramando sobre os nossos semelhantes aquilo que Deus nos deu.
A presença deste texto na liturgia da Quaresma indica a prioridade que tem o perdão dos irmãos diante de outras práticas penitenciais e devocionais que possam ser oferecidas a Deus. O Tempo da Quaresma é tempo de predispor-nos à reconciliação. Se ainda não podemos perdoar a todos, os sacrifícios, jejuns, momentos de oração devem ser caminhos que nos preparem para o perdão. Nosso coração precisa inadiavelmente dar o passo do perdão.
Perdoar é próprio de quem quer ser perdoado. O perdão é o caminho para a vida.
- Frei Almir Ribeiro Guimarães -

2 comentários:

Suzuki disse...

Olá! Feliz de ver seu comentário lá no blog! Gosto de tê-la entre meus amigos! Atualizei... Dá um pulinho lá! Beijos Suzuki

Orvalho do céu disse...

Olá, amiga
Perdão é fácil pra falar mas no viver poucos o fazemos acontecer... pena!!!
Porém nos resta a graça de Deus que sempre nos auxilia... ainda bem!!!
Bjm de paz