quarta-feira, 31 de julho de 2013

Convivência e amor

Eu estava lendo o jornal, quando chega a minha filha pequena e pergunta: “Papai, por que a mamãe tem olhos verdes?” Eu fiquei baratinado diante da pergunta tão inesperada e inédita. Inventei uma resposta qualquer e me senti humilhado e envergonhado porque nunca me preocupara em saber, sequer, a cor dos olhos de minha esposa...
Como é possível conviver anos e anos com uma pessoa e não conhecer a cor de seus olhos? Nunca nos olhamos realmente nos olhos... nunca pusemos em confronto nossos problemas, nossos defeitos e virtudes... Não somente não conhecia a cor dos olhos dela, como também desconhecia os seus problemas, as suas angústias e suas dificuldades.
Desde aquele dia, tudo mudou. Comecei a me interessar mais pela minha família.  Fui descobrindo novos mundos no jeito de falar, de gesticular, de sorrir, de trabalhar de minha esposa... Comecei a ver menos televisão e ler menos jornal para ocupar-me mais com ela e com meus filhos!
Vivemos tanto tempo com uma pessoa e não chegamos a nos conhecer... Vivemos mas não convivemos... Também os discípulos ouviram esta queixa do Mestre: “Tanto tempo estou com vocês, e ainda não me conhecem?” Que não sejamos surpreendidos com uma queixa assim de Jesus! (Clóvis Bovo)
 
Conexão com o Alto
click e leia

2 comentários:

Peppita disse...

Estou muito feliz com sua visita! =) quero te oferecer meu award com muito carinho!

✿ chica disse...

Linda reflexão ,mas se meu marido não soubesse a cor dos meus olhos, FOOOOOOOOOOOOOOOOOORA!rsrs beijos,chica