domingo, 6 de abril de 2014

5º Domingo da Quaresma

O nosso amigo Lázaro dorme, mas eu vou acordá-lo” disse Jesus ao encontrar-se com as irmãs de Lázaro.
A Quaresma é tempo de a gente passar do sono para a vigília, da morte para a vida. A morte biológica é o fim de todos nós; a ressurreição é a vida divina que o Pai quer dar a cada um e a todos os Seus filhos. Assim como Jesus chorou sobre Lázaro, o amigo que morrera, Jesus chora sobre cada um de nós, que, muitas vezes, caminhamos nas trevas, tropeçando, caindo. Jesus grita para cada um de nós: “Acorde, saia do túmulo em que você está, saia para fora”. Tudo o que o Evangelho de hoje (Jo 11, 1-45) fala sobre Lázaro, está falando sobre cada um de nós.
Salvar-se da morte é o desejo que dita todos os movimentos neste jogo de xadrez que é a vida, mas, sabemos, com antecedência, que todo o nosso esforço para livrar-nos da morte é inútil. Jesus não nos salva da morte, somos mortais... Jesus, porém, nos dá a possibilidade de compreender a morte e de vivê-la de modo novo, divino; Ele nos faz ver como se pode viver o amor até ao ponto de dar a vida. O ser humano não tem condições de segurar a vida, mas podemos gastá-la no egoísmo ou investi-la no amor.
Jesus, ao dar vida a Lázaro, foi condenado à morte. Ele dá a vida e recebe a morte; mas, exatamente ao receber a morte, dá vida. É o paradoxo da cruz, que exprime o clímax seja do mal que está no homem seja do bem que Deus nos quer. Acolher essa boa notícia, acordar para essa verdade, confiar nessa promessa muda a nossa vida e transforma a vida do mundo. Jesus é seu, meu, nosso amigo; Ele quer nos acordar no mistério de Sua morte e ressurreição que celebramos na festa da Páscoa.
Pe. Antonio José de Almeida 

Quer rezar a Via Sacra comigo? 


Um comentário:

✿ chica disse...

Reflexões linda para mais um domingo de quaresma. Já faltam poucos dias para a Páscoa! beijos,chica, linda semana!